Bacia Browse

Histórico

A Karoon adquiriu 100% de participação nas permissões de exploração WA-314-P e WA-314-P, na Bacia de Browse, em 2004. Conforme a estratégia corporativa, a Karoon celebrou acordos em 2006 para transferir 60% da participação para a ConocoPhillips, que assumiu a operação das licenças como parte da transação.

A joint venture Karoon / ConocoPhillips (a “Joint Venture”) recebeu a permissão de exploração WA-398-P em 2007.

A Joint Venture realizou a campanha de perfuração de exploração inicial entre julho de 2009 e junho de 2010, fazendo a descoberta de gás multi-TCF do campo Greater Poseidon no primeiro poço, Poseidon-1, na WA-315-P. As descobertas seguintes foram feitas em Poseidon-2 e Kronos-1.

Após a bem-sucedida primeira fase da campanha de perfuração, a segunda fase da campanha de perfuração de exploração de 6 poços foi realizada entre abril de 2012 e agosto de 2014. Descobertas adicionais de gás foram feitas nas licençasWA-315-P e WA-398-P, nas locações dos poços Boreas-1, Zephyros-1, Proteus-1, Poseidon North-1 e Pharos-1.

Permissões WA-315-P e WA-398-P

Monetização

Em junho de 2014, a Karoon anunciou a venda de seus 40% na participação societária nas permissões de exploração WA-315-P e WA-398-P para a Origin Energy (Origin), por até US$ 800 milhões. Conforme os termos do Acordo de Compra e Venda, um adiantamento em dinheiro de US$ 600 milhões foi recebido em agosto de 2014, seguido pelo reembolso de todos os custos associados ao poço de exploração Pharos-1 (localizado na WA-398-P).

Os pagamentos de marcos contingentes que permanecem pendentes são os seguintes:

  1. Um pagamento diferido, em dinheiro, de US$ 75 milhões, a ser pago na Decisão de Investimento Final (“FID”);
  2. Um pagamento diferido, em dinheiro, de US$ 75 milhões, a ser pago na Primeira Produção; e
  3. Um pagamento diferido, em dinheiro, de recurso de até US$ 50 milhões, a ser pago na Primeira Produção. A Origin pagará US$ 5 milhões para cada 100 BCF de reservas 2P Certificadas Independentemente acima de 3,25 Tcfe em todas as permissões no momento da FID, até um máximo de US$ 50 milhões.

A Karoon não tem participação restante na permissão de exploração WA-315-P ou WA-398-P

Permit WA-314-P

Exploration permit WA-314-P is located approximately 350 kilometres offshore from the north-Western Australian coast and has an area of 998 square kilometres. During 2011, Karoon assumed a further 50% interest in the permit from ConocoPhillips for $nil consideration, followed by ConocoPhillips’ residual 10% interest during 2014.

Interest

Equity interest of the participant in WA-314-P is:

Karoon Gas Browse Basin Pty Ltd (Operator) 100%

Programa de Trabalho

O poço de exploração Kontiki-1 foi perfurado em 2009, seguido pelo poço de exploração Grace-1, em 2014. Os dois poços não encontraram hidrocarbonetos significativos.

Em agosto de 2013, a Karoon contratou o navio sísmico da CGGVeritas, “Geo Caspian”, para realizar uma aquisição de dados sísmicos Kraken 3D marítimos nos 318 quilômetros quadrados sob o prospecto de Elvie.

O prospecto de Elvie está localizado em um trend na parte externar da bacia , com uma geologia distinta e mais prospectiva do que o trend de Buffon-Kontiki-Grace. O trend de Elvie é caracterizado por uma sequência vulcânica bem mais fina, resultando em uma melhor definição das estruturas a partir dos dados sísmicos e com menor possibilidade de rochas vulcânicas dentro dos prospectos. Além disso, a configuração de maturação e migração de hidrocarbonetos é consistente com a retenção de óleo ou gás úmido rico. São previstos reservatórios na formação Montara e Plover.

Em setembro de 2015, a Karoon renovou a Licença de Exploração de Petróleo sobre a WA-314-P. A renovação da licença é composta por um compromisso de programa de trabalho mínimo com um prazo inicial de 3 anos para o reprocessamento sísmico, e estudos geológicos e geofísicos. Isso garantirá que os resultados dos dados sísmicos 3D Kraken possam ser totalmente avaliados antes que uma decisão futura sobre perfuração seja tomada.

Após o recebimento dos dados Kraken, e seguindo a estratégia corporativa da Empresa, a Karoon espera delegar uma participação na WA-314-P antes de se comprometer com mais perfurações exploratórias na area sob licença.

Bacia de Browse

A Bacia de Browse é uma bacia não desenvolvida de condensado de gás rico com um recurso descoberto acima de 30 TCF, com oportunidades de exploração adicionais altamente prospectivas.

A Bacia deve se tornar uma nova fonte significativa do suprimento global de GNL nesta década com o projeto Ichthys, da Inpex, o projeto Prelude, da Shell, atualmente em construção, e o Projeto de GNL Browse, da Woodside, em estágio de FEED. Outros acúmulos e descobertas notáveis são os campos de Argus e de Crux e a descoberta mais recente do campo de Crown.

Foram comprovados grandes volumes de geração de gás e condensado na Bacia de Browse, através das descobertas de Ichthys, Torosa, Crown, Burnside e Prelude, junto aos campos de condensado de gás Echuca Shoals e Crux e o campo de óleo Cornea, na margem da bacia. O trabalho geotécnico prevê que a licença da Karoon esteja bem localizada para receber a geração e migração de gás úmido ou óleo em grandes estruturas do período Cretáceo Superior ou Terciário. Rochas geradoras conhecidas na bacia incluem a Formação Echuca Shoals, a Formação Vulcan e a Formação Plover.

A capacidade de sêlo superior de boa qualidade foi comprovada pela acumulação de Torosa, Scott Reef (coluna de gás de mais de 500 m), Brecknock, Brecknock South e o campo de Ichthys (coluna de gás de mais de 200 m). Os mesmos intervalos de sêlo foram comprovados e estão presentes na área da Karoon, com resultados atuais em areas análogas confirmando colunas de gás brutas com mais de 400 metros em alguns poços. Nos poços do campo de Poseidon, sêlos intraformacionais de alta qualidade na Formação Plover foram comprovados, que são sêlos originados por rochas vulcânicas alreadas acima da Formação Plover.