Bacia de Tumbes

Em 2008, a Karoon adquiriu 20% de participação no Bloco Z-38, na Bacia de Tumbes, na costa do Peru. Este percentual foi aumentado para 75% antes de um farm-out bem-sucedido de 35% para a Tullow Peru Limited em janeiro de 2018, deixando a Karoon com uma participação de 40%. O Bloco Z-38 está localizado a 10 quilômetros da costa norte do Peru, 56 quilômetros a oeste da cidade de Tumbes e 39 quilômetros a oeste de Caleta Cruz. O bloco está em lâminas d’água que variam entre 300 metros, ao longo da fronteira leste, e mais de 3.000 metros, no oeste, e cobre uma área de 4.875 quilômetros quadrados.

A adição do Bloco Z-38 ao portfólio de exploração da Karoon oferece um potencial de bilhões de barris de óleo em uma porção subexplorada e altamente prospectiva na Bacia de Tumbes. Essa bacia do tipo pull-apart apresenta estilo similar à prolífica Bacia San Joaquin no Sul da Califórnia e exibe uma variedade de tipos de play. O trabalho realizado pela Karoon, incluindo a pesquisa sísmica 3D, a tavaliação do leito marítimo e a análise AVO, sustenta a presença de um sistema de petróleo ativo, com óleo proveniente das mesmas rochas geradoras observadas na Bacia Talara, onde se produziram mais de 1,7 bilhões de barris até hoje.

Os blocos da Karoon estão estrategicamente localizados ao longo do eixo da bacia e de maneira adjacente aos campos terrestres da Bacia Talara.

Participação

Participação no Bloco Z-38 :
KEI (Peru Z38) Pty Ltd, Sucursal del Peru (Operador) 40%*
Tullow Peru Limited 35%**
Pitkin Petroleum Peru Z-38 SRL 25%

*A participação de 40% da Karoon está sujeita à conclusão das obrigações de farm-in
**O interessa do capital de 35% de Tullow fica sujeito a condições que incluem aprovações regulatórias

Historia de Exploração

Em 2008, a Karoon realizou um acordo de farm-in para adquirir 20% de participação no Bloco Z-38. A empresa recebeu aprovação como operadora em outubro de 2009 e, subsequentemente, aumentou sua participação para 75%, a qual está sujeita à conclusão das obrigações de farm-in.

Após a aquisição e a interpretação das pesquisas sísmicas 2D e 3D em 2009 e 2010, mapearam-se diversos prospectos e leads em diferentes níveis no bloco, em lâminas d’água de 300 a 1.000 metros.

Em junho de 2013, os órgãos regulatórios peruanos aprovaram o Plano Ambiental para a futura campanha de perfuração de exploração.

Durante janeiro de 2018, a Karoon alienou uma participação de 35% no bloco para Tullow Peru Limited, uma subsidiária integral da Tullow Oil plc.

Programa de Trabalho

O programa de trabalho tem como alvo os reservatórios mais novos e rasos do Terciário, em lâminas d’água moderadas no bloco da Karoon. A interpretação dessas formações mais novas demonstram características de reservatório superiores em comparação à Formação Zorritos, que apresenta produção e é mais antiga, além de, historicamente, ser foco de uma exploração limitada ao longo das últimas 3-4 décadas.

Os extratos de óleo recuperados a partir de avaliação do leito marítimo, adquiridas pela Karoon em 2010, mostram características similares aos óleos de poços nas Bacias Talara e Tumbes, além de sustentarem o modelo de uma fonte comum e prolífica do Terciário.

Desde a aquisição, o trabalho geológico e geofísico da Karoon ajudou a delinear e eliminar, de forma significativa, o risco dos prospectos com potencial de múltiplos bilhões de barris.

Em 2010, a Karoon adquiriu e processou uma pesquisa sísmica 3D de 1.500 quilômetros quadrados. O mapeamento da interpretação sísmica e a avaliação do prospecto foram concluídos, e as locações preliminares dos poços de exploração foram selecionadas

Antecedentes Bacia deTumbes

O Bloco Z-38 está localizado a noroeste dos grandes campos produtores terrestres da Bacia de Talara. Esses campos produzem petróleo há mais de 100 anos, totalizando mais de 1,7 bilhão de barris até hoje.

A exploração da bacia marítima de Tumbes, associada ao período Neogeno, teve início em 1969, com a descoberta de gás seco no campo de Amistad, no Golfo equatoriano de Guaiaquil, aproximadamente 60 km ao norte do Bloco Z-38. A exploração da bacia marítima de Tumbes, no Peru, iniciou-se em 1972, quando petróleo, gás e condensado foram descobertos no campo de Albacora, próximo à fronteira marítima com o Equador. Outros quatro poços exploratórios foram perfurados entre 1972 e 1974, dois dos quais apresentaram petróleo com grau API 37 em formações do Mioceno. Seis poços foram perfurados entre 1977 e 1984, dos quais dois resultaram em descobertas de gás, condensado e óleo (Piedra Redonda e Corvina).

Após um período de 22 anos, retomou-se a perfuração em 2006, quando a BPZ Energy iniciou uma avaliação da estrutura de Corvina, encontrando hidrocarboneto em arenitos do Mioceno Médio da Formação Zorritos. O campo de Corvina, localizado a 35 quilômetros do Bloco Z-38, começou a produzir petróleo em 2007, e atualmente está passando por uma grande reforma, incluindo a instalação de uma segunda plataforma. O campo de Albacora também passa por reavaliação.

Nenhum poço de exploração foi perfurado na bacia marítima de Tumbes-Progresso desde 1984.

O Bloco Z-38 está entre 7 a 10 quilômetros de sedimentos Cenozóicos que constituem uma extensão não testada do sistema petrolífero da Bacia de Tumbes. O bloco possui uma grande variedade de tipos de objetivos exploratórios, incluindo blocos com falhas inclinadas, do período Neogeno, anticlinais com falhas transcorrentes e em rampa e objetivos exploratórios de acunhamentos.

As principais rochas primordiais são a Formação de Charneca, do Mioceno Inferior, e os Xistos Pró-Delta mais antigos. Os extratos de óleo recuperados das avaliações do leito marinho, adquiridos pela Karoon para o Bloco Z-38, em 2010, apresentam características semelhantes aos óleos dos poços das bacias de Talara e Tumbes, sustentando o modelo de uma fonte terciária comum e prolífica.

Os principais objetivos são os reservatórios do Plioceno da Formação de La Cruz e reservatórios do Oligoceno da Formação de Mancora. Nos campos de Albacora e Corvina, os reservatórios produtores são associados ao Mioceno Médio. Entretanto, em Amistad, os arenitos mais novos também produzem gás. Essas formações mais jovens têm reservatórios com características superiores quando comparados com a formação mais antiga de Zorritos, constituindo o principal objetivo no bloco Z-38 da Karoon.